Pesquisas

PESQUISAS EM ANDAMENTO

Vidas Clandestinas: relações de gênero na clandestinidade, um estudo comparativo no Cone Sul. (1960-1989)
Descrição: Pensar clandestinidade nos países do Cone Sul entre 1960 e 1990 é dar-se conta de abordagens múltiplas, de um lado temos a maneira como as pessoas narram este tempo vivido, de outro a forma como os aparatos repressivos nomeiam e classificam. Tanto num quanto no outro é possível observar a questão de gênero, seja para verificar a maneira como se embaralham as identidades, seja para notar o reforço das diferenças. É disso que se trata este projeto que pretende dar continuidade à investigação que desde 2005 temos feito nos países do Cone Sul abordando gênero, feminismos e ditaduras.

Lágrimas como bandeira: Emoções e gênero na retórica da resistência no Cone Sul.
Descrição: No contexto das ditaduras do Cone Sul, inauguradas com a ditadura de Stroessner no Paraguai em 1954 e que duraram até a década de 1980, movimentos de resistência de diversos tipos tiveram importante papel na luta e na conquista da redemocratização. Esses movimentos mobilizaram uma retórica ligada aos direitos humanos, que valorizou muito a emoção: tanto a que despertava no público a partir de relatos do sofrimento daqueles que foram torturados, presos, perseguidos e exilados pelos regimes ditatoriais, como também os sentimentos de seus familiares, especialmente as mães. O objetivo deste projeto é analisar a emoção como componente dos discursos da resistência às ditaduras do Cone Sul, a partir de uma perspectiva cruzada e comparativa, buscando compreender como os sujeitos da resistência mobilizaram sentimentos, laços familiares, amizades e especialmente discursos de gênero como agência para se oporem às ditaduras e construírem novas configurações políticas. Para isso vamos utilizar o acervo já existente no Laboratório de Estudos de Gênero e História da UFSC, acumulado no âmbito do Projeto Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul, bem como faremos novas viagens de pesquisa para acessar documentos específicos dos movimentos de resistência. Este acervo se constitui de entrevistas orais; periódicos da imprensa alternativa; documentos das organizações de resistência como manifestos, cartas, folhetos, entre outros; livros de memórias e outros textos autobiográficos, além de bibliografia sobre cada um dos países pesquisados. Dessa forma, este projeto é uma continuidade do projeto atualmente desenvolvido com bolsa de produtividade e auxílio do Edital Universal anterior, intitulado O gênero da resistência na luta contra as ditaduras do Cone Sul -1964-1989.

Espaços de memória: Arquivos e fontes documentais (re)significando as ditaduras militares (Brasil e Paraguai).
Descrição: Esta pesquisa objetiva investigar como os arquivos que abrigam a documentação sobre as ditaduras militares no Brasil e no Paraguai se constituem como espaços de memória que podem (re)significar a história contemporânea do Cone Sul, procurando estabelecer relações no campo da memória e do patrimônio cultural. Pretendemos problematizar, numa perspectiva de história comparativa, a partir dos acervos do Archivos del Terror e do Museo de las Memorias, localizados em Assunção, no Paraguai e dos arquivos do projeto Tortura nunca mais , que se encontram Arquivo Edgard Leuenroth, na Universidade de Campinas/SP, bem como, os acervos do Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro e em Brasília, como estes arquivos se constituem como espaços de memória importantes para as discussões contemporâneas referentes ao direito à memória. A partir de pesquisa documental e realização de entrevistas orais pretende-se compreender a experiência das ditaduras militares no Cone Sul, e suas diferentes compreensões sobre dever de memória , lugares de memória , memória e patrimônio especialmente num momento em que, no Brasil, se institui uma Comissão Nacional da Verdade.